Voltar

27/10/2017 16:26

Encerramento de "Outubro Rosa" terá evento de conscientização no PUB

O autoexame ajuda na detecção precoce do câncer de mama 

Outubro Rosa alerta para a prevenção do câncer de mama Apesar do alto risco da doença, se descoberta precocemente, a chance de recuperação chega a 95%
Durante todo este mês, o movimento conhecido como Outubro Rosa busca estimular a participação da população no controle do câncer de mama, promovendo a conscientização sobre a doença e enfatizando a importância da prevenção e dos cuidados entre as mulheres. Para chamar a atenção de todos para a ação, monumentos em todo o mundo são iluminados com a cor rosa, entre eles o Elevador Lacerda e o Cristo Redentor.

O tumor na mama é o segundo mais frequente no mundo entre as mulheres, ficando atrás apenas do colorretal, de acordo com o Instituto Nacional de Câncer (Inca). Apesar do alto risco da doença, se descoberta precocemente, a chance de recuperação chega a 95%. O câncer de mama pode ser detectado ainda na fase inicial, em grande parte dos casos. Isto aumenta as chances de tratamento e cura. Por isso, a campanha enfatiza a importância de a mulher conhecer suas mamas e ficar atenta às alterações suspeitas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A radiologista Carolina Neves, da Bahia Imagem Medicina Diagnóstica, destaca a importância do autoexame, já que a maior parte dos cânceres de mama é descoberta pelas próprias mulheres. Elas devem observar suas mamas sempre que se sentirem confortáveis, seja no banho, ao trocar de roupa ou em outra situação do cotidiano, valorizando a descoberta casual de pequenas alterações mamárias. Entre os principais sinais está o aparecimento de nódulo fixo, endurecido e geralmente indolor.

Além de estar atenta ao próprio corpo, também é recomendada a realização de mamografia de rastreamento, quando não há sinais ou sintomas, a cada dois anos. Trata-se de uma radiografia das mamas, feita por um equipamento de raios X chamado mamógrafo, capaz de identificar alterações suspeitas. A mamografia bienal para mulheres entre 50 e 69 anos é a estratégia recomendada pelo Ministério da Saúde no Brasil para o rastreamento do câncer de mama, contudo a Sociedade Brasileira de Mastologia recomenda que ela seja feita anualmente, a partir dos 40 anos.

A mamografia diagnóstica e outros métodos de imagem podem ser realizados em qualquer ocasião, na presença de um sintoma. A Dra. Carolina Neves alerta, ainda, que pessoas que tenham histórico de casos na família devem fazer o exame mais precocemente. O Laboratório Sabin realiza a pesquisa das mutações, indicada para mulheres que possuem na família histórico de câncer de mama antes dos 50 ou câncer de ovário em qualquer idade.

Hábitos saudáveis, segundo Carolina, podem prevenir casos. Recomenda-se praticar atividade física, manter uma alimentação saudável, controlar o peso, amamentar e evitar o consumo de bebidas alcoólicas. Estima-se que cerca de 30% dos casos poderiam ser evitados com a adoção de bons hábitos no cotidiano.

Como prevenir
• Praticar atividade física regularmente;
• Alimentar-se de forma saudável;
• Manter o peso adequado;
• Evitar o consumo de bebidas alcoólicas;
• Ir ao médico e realizar exames regularmente

Nesta sexta feira 27/10/2017 a partir de 22:00hrs, no PUB em Bragança Paulista, o mês de outubro que encerrará na terça feira, terá um grande evento, com depoimentos e conscientização popular a respeito de uma doença que mata milhares de mulheres no país e no mundo.

Segundo tipo de câncer mais frequente no mundo, o câncer de mama é o mais comum entre as mulheres, respondendo por 22% dos casos novos a cada ano. No ano de 2010 ocorreram 49.240 novos casos de câncer de mama no Brasil, sendo superado apenas pelo câncer de pele. No ano de 2008 , 11.860 mulheres morreram por causa do câncer de mama e 125 homens também morreram. Este tipo no homem é raro e representa menos de 1% dos casos, e o principal sintomas é um nódulo endurecido atrás do "bico" do peito , principalmente em pacientes acima de 50 anos de idade. previsão do Inca (Instituto Nacional de Câncer) é de que em 2016 ocorram 57.960 casos de câncer de mama entre mulheres no Brasil. Esse é o segundo tipo de tumor maligno mais incidente entre as brasileiras, atrás apenas do câncer de pele não melanoma. 

Existem diferenças nas taxas de incidência da doença entre as regiões do Brasil. A maior incidência ocorre na região sudeste. A medida utilizada para quantificar esta incidência chama-se taxa bruta , que corresponde ao número de casos para cada 100mil mulheres. Na região sudeste esta taxa é de 64.54 casos/100mil mulheres , região sul 64.3/100mil mulheres, região centro-oeste 37,68/100mil mulheres, região nordeste 30,11/100mil mulheres e região norte com a menor incidência 16,62/100mil mulheres. Estas diferenças provavelmente são decorrentes do fato já conhecida de quanto maior o desenvolvimento da região maior a incidência de câncer de mama. Isto reflete uma sociedade mais industrializada com consumo cada vez maior de uma alimentação inadequada, excesso de peso e talvez estresse.

Com a realização cada vez mais freqüente da mamografia tem-se diagnosticado o câncer de mama no Brasil em fases mais precoces o que aumenta as chances de cura. Hoje a maioria dos casos diagnosticados no Brasil não são mais em fases avançadas. Mas precisamos melhorar ainda mais, e isto será alcançado quando todas as mulheres tiverem acesso a mamografia de qualidade uma vez ao ano a partir do 40 anos de idade.


 



← Voltar