Voltar

06/07/2016 22:39

Transporte coletivo foi discutido em comissão

A Comissão de Finanças se reuniu na tarde de terça-feira, 28, e recebeu representantes da empresa Nossa Senhora de Fátima Auto Ônibus para discutir o transporte coletivo em Bragança.
Os vereadores fizeram diversos apontamentos sobre diminuição de linhas, estudo de impacto para bairros como Henedina Cortez e Águas Claras, crise econômica do município e atrasos no cumprimento dos horários.
Os representantes da empresa, Renato de Camargo, supervisor de tráfego, Cléber Cristiano de Oliveira, instrutor, Daniel Adão do Leite, chefe de tráfego, e Fábio Willian Mutti, gerente de RH, responderam aos questionamentos.
Segundo Cléber, nenhum bairro sem ônibus ficou sem ônibus. “Houve na verdade um remanejamento de horários pela demanda de passageiros. Em alguns horários ônibus circulavam quase sem nenhum passageiro”, explicou.
Sobre as linhas da Henedina Cortez e Águas Claras, já há estudos e previsão do aumento de linhas, principalmente após a instalação oficial das moradias populares na região.
Como contrapartida das reclamações de atrasos, os funcionários solicitaram apoio dos vereadores para melhorias no tráfego urbano, principalmente na área da Av. Pires Pimentel. Fábio também reforçou que a crise econômica prejudicou as atividades da empresa. “Tivemos uma queda de passageiros nos últimos anos, a crise também nos afeta”, disse.
Os vereadores fizeram diversos apontamentos sobre diminuição de linhas, estudo de impacto para bairros como Henedina Cortez e Águas Claras, crise econômica do município e atrasos no cumprimento dos horários.
Os representantes da empresa, Renato de Camargo, supervisor de tráfego, Cléber Cristiano de Oliveira, instrutor, Daniel Adão do Leite, chefe de tráfego, e Fábio Willian Mutti, gerente de RH, responderam aos questionamentos.
Segundo Cléber, nenhum bairro sem ônibus ficou sem ônibus. “Houve na verdade um remanejamento de horários pela demanda de passageiros. Em alguns horários ônibus circulavam quase sem nenhum passageiro”, explicou.
Sobre as linhas da Henedina Cortez e Águas Claras, já há estudos e previsão do aumento de linhas, principalmente após a instalação oficial das moradias populares na região.
Como contrapartida das reclamações de atrasos, os funcionários solicitaram apoio dos vereadores para melhorias no tráfego urbano, principalmente na área da Av. Pires Pimentel. Fábio também reforçou que a crise econômica prejudicou as atividades da empresa. “Tivemos uma queda de passageiros nos últimos anos, a crise também nos afeta”, disse.

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Fonte: Gazeta Bragantina.

 

 

Fonte: Gazeta Bragantina.


← Voltar